Musical Theatre e Flusser

Em seu livro “Filosofia da Caixa Preta – Ensaios para uma futura filosofia da fotografia”, Vilém Flusser baseia-se no que ele chama de “conceitos-chave” (imagem, aparelho, programa e informação), para definir fotografia como: “imagem produzida e distribuída por aparelhos segundo um programa, a fim de informar receptores.“
Se elevar-mos esse conceito a um outro nível, acredito que possamos não apenas definir fotografia à partir dele, mas também possamos definir imagem televisiva, ou cinematográfica. Afinal, nesse caso também encontramos os conceitos-chave citados por Flusser. E é exatamente sobre esses conceitos e essa definição aplicados a essa outra perspectiva que pretendo discorrer.
Embora Flusser discorra sobre sua “filosofia da fotografia“, que não seria nada mais do que “crítica do funcionalismo“, ou em outras palavras, uma crítica ao modo de pensar do ser humano; modo esse, que seria como “pensam” os computadores, e embora ele chegue a conclusão de que as pessoas que operam as câmeras, de certo modo não são livres, e sim destinadas a serem controladas pela máquina, assim não existindo uma liberdade, acredito que a imagem televisiva e cinematográfica não deve ser encarada como algo totalmente negativo, acredito que esse assunto tenha dois lados que devem ser levados em consideração.
O primeiro deles seria o fato de que é justamente por causa dessas máquinas, que conseguimos fazer com que a massa tenha acesso a certas informações e certa cultura que sem essa tecnologia, talvez ela não tivesse acesso. É o que acontece com os musicais. Todos temos que concordar que se não houvessem filmes, ou então dvds de musicais, muitas pessoas iriam desconhecer totalmente essa arte, pois, se esses musicais fossem apenas exibidos na Broadway, ou mesmo apenas em suas montagens brasileiras, muitos não teriam acesso. Isso torna-se visível se perguntar-mos à uma pessoa se ela já assistiu “Grease“, “A Noviça Rebelde“ ou “HairSpray“, por exemplo. Se a pessoa já tiver assistido a probabilidade de ela ter assistido o filme é muito maior do que ela ter ido até o teatro assistir algum desses muisicais. Isso acontece por muitos motivos como falta de recursos para ir ao teatro, ou na maioria das vezes comodidade. É mais fácil para uma pessoa alugar um filme desses e assistir no conforto de sua casa, aonde ela pode pausar a hora que quiser, assistir a hora que quiser, etc.
Entretanto, um lado bem diferente desse também deve ser levado em consideração. Pensemos agora que esse fácil acesso aos musicais, provocado pelas máquinas e seus “operadores” leve cada vez menos pessoas a frequentar os teatros. Hoje em dia o número de pessoas que saem de casa para ir ao teatro é muito menor do que antigamente. E acredito que isso acontece devido ao fato dessa facilidade de acesso a esses filmes. Podemos então parar para pensar um pouco em todo o trabalho envolvido para desenvolver um musical, por exemplo. Quantos profissionais não estão envolvidos no projeto, quantas pessoas não dedicaram suas vidas à estudar essa arte, etc. Para que depois de certo tempo um filme sobre esse mesmo musical seja lançado e então as pessoas parem de frequentar os teatros, porque pensam “ser a mesma coisa“.
Enfim, eu não sou contra os filmes e dvds de musicais. Eu mesma tenho uma infinidade deles na minha casa; acho apenas que devemos pensar nos dois lados da moeda antes de definir, ou julgar alguma coisa. Dessa maneira, são esses os dois lados que eu vejo no que Flusser quis dizer.

Postado por,

Camila T. Carvalho

Anúncios

Uma resposta to “Musical Theatre e Flusser”

  1. v.f. Says:

    http://www.vilemflusser.com.br/

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: